Torcida encara o árbitro com categoria e Náutico bate o Atlético-GO por 2×0

Em meio ao autoritarismo do árbitro Leandro Pedro Vuaden, que tentou calar um protesto justo e legítico da torcida do Náutico, o time fez sua parte em campo e venceu o lanterna Atlético de Goiás por 2×0 neste sábado (29), nos Aflitos. Os três pontos deram mais quatro posições aos alvirrubros, que saltaram para a décima colocação com 34 pontos. O time goiano segue sua marcha inexorável rumo à segunda divisão com os mesmos 20 pontos e a mesma situação: lanterna.

O jogo começou antes do apito inicial justamente porque o responsável por soprar o citado instrumento resolveu arbitrar também sobre a torcida. Uma enorme faixa na arquibancada na cor preta e com letras brancas dizia: “Não irão nos derrubar no apito”. Leandro Pedro Vuaden e seus auxiliares decidiram só iniciar o jogo quando o protesto silenciasse.

O delegado do jogo junto a representantes da CBF e da Polícia Militar foram ao alambrado comunicar aos alvirrubros que sua liberdade de expressão seria tolhida. A torcida fez pé firme e começou uma queda de braço com direito ao estádio inteiro proferindo palavras nada agradáveis ao árbitro. Após 17 minutos os torcedores aquiesceram e recolheram a faixa. O jogo foi iniciado e menos de um minuto depois ela estava lá, desfraldada para quem quisesse ver.

Com a bola rolando, o Atlético Goianiense facilitou a vida do Náutico por conta da incompetência de seu meio de campo em trabalhar a bola. Perdida com facilidade, ainda complicou a vida dos defensores, sempre correndo atrás dos atacantes alvirrubros para recompor a marcação.

O problema do Náutico era o passe final. Kieza, Araújo e Rhayner não acertavam o pé. Até que, aos 18 minutos, muito provavelmente pela pressão da faixa, Vuaden errou e beneficiou os alvirrubros. Rhayner recebeu de Kieza e cortou para o meio. Ele adiantou demais a bola e deixou o pé direito atrás para tocar na perna de Reniê. O juiz marcou pênalti, que Kieza não desperdiçou. Em tempo, na hora em que a penalidade foi marcada, a faixa foi recolhida.

Além da faixa, o ímpeto dos timbus também foi recolhido. O time marcou mais atrás e ficou na espera do Dragão. Porém, o time de Goiás, sempre em inferioridade numérica no meio de campo não conseguia coordenar as jogadas. Elicarlos mandava e desmandava no setor.

Ficou monótono até os 40 minutos. Souza cruzou da direita. A zaga do Atlético não foi na bola. O goleiro Márcio foi mas era melhor não ter ido, pois falhou feio. E para complicar mais ainda a vida dele a falha foi na frente de ninguém menos que Kieza. E o K9 nem precisou saltar. Cabeceou para o gol vazio.

Na volta para o segundo tempo a faixa, àquela altura já famosa nacionalmente, estava perfeitamente visível. Mas desta vez, Leandro Vuaden não viu – ou fingiu que não viu – e tratou de fazer apenas seu trabalho. O jogo começou sem arestas entre o homem de amarelo e os espectadores.

Mas houve aresta para o time da casa. O atacante Kieza sentiu um cansaço muscular e o departamento médico achou melhor não forçar o jogador no segundo tempo. Reis voltou em seu lugar. Aos dez minutos nova baixa por problemas médicos. O zagueiro Ronaldo Alves sentiu a face posterior da coxa esquerda e cedeu seu posto a Alison.

Quem também mudou foi o Atlético com Marino no lugar de Dodó. Mas a alteração mais significativa foi no posicionamento do meio de campo. O time visitante jogou mais agrupado e conseguiu mais posse de bola. Até ganhou terreno mas não o suficiente para chegar em condições de finalizar com perigo.

Aí o jogo entrou num marasmo. O Atlético jogava quando podia. E o Náutico não concordava com isso. O timbu jogava quando queria, mas não parecia querer muita coisa, principalmente porque seus volantes recuaram e deixaram um vazio entre eles e o trio Rhayner, Reis e Araújo. Ainda assim, Reis ganhou um presente de Martinez aos 24 e, cara a cara com o goleiro, mandou por cima.

Patric, aos 33, também teve a sua chance mas mandou para fora. Com o passar do tempo, as forças do Atlético exauriram e o jogo ganhou ritmo de recreativo. Estava fácil. Uma ótima oportunidade para Rhayner, que se multiplica em campo mas não marca, finalmente deixar o seu. E ele esteve muito perto. Aos 42 ele passou por dois e chutou em cima de Marcos. A bola sobrou para ele mesmo e ele tentou de novo. Acertou o lugar mais difícil: o travessão. Aos 46 o mesmo travessão impô-se mais uma vez entre o camisa 11 e o grito de gol. A torcida reconheceu o esforço e gritou o nome do jogador.

Ficha do jogo:

Náutico: Felipe; Patric, Ronaldo Alves (Alison), Jean Rolt e Douglas Santos; Elicarlos, Martinez (Josa), Souza e Rhayner; Kieza (Reis) e Araújo. Técnico: Alexandre Gallo.

Atlético-GO: Márcio; Marcos, Gustavo, Reniê e Diego Giaretta; Dodó (Marino), Pituca, Ernandes e Danilinho; Diogo Campos (Watchman) e Patric (Alexandre). Técnico: Arthur Neto.

Local: Aflitos/Recife/PE. Árbitro: Leandro Pedro Vuaden. Auxiliares: Alessandro A. Rocha de Matos e Emerson Augusto de Carvalho, todos da Fifa. Gols: Kieza, aos 18 e 40 do primeiro tempo. Cartões amarelos: Martinez, Rhayner e Marcos.

Fonte: NE10

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Duas crianças abaixo de cinco anos morrem por dia em decorrência da Covid-19 no Brasil; Nordeste representa a maior parte

O Brasil tem registrado, em média, duas mortes de crianças menores de cinco anos por Covid a cada dia desde o início da pandemia. Os números são do instituto Observa Infância, ligado ao Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz). Em 2020 e 2021, foram 1439 óbitos no grupo, sendo 48% dos casos eram de crianças com mais de 29 dias e menos de um ano completo. Somente neste ano, foram ao menos outras 291 mortes abaixo dos cinco anos até o último dia 11. A região Nordeste do país apresenta a maior parte das mortes nessa faixa etária, com 43,9% do total, mesmo tendo apenas um terço da população analisada. Na sequência, aparece a região Sudeste, com 24,5% dos óbitos, seguida pelas regiões Norte (18,1%), Centro-Oeste (6,1%) e o Sul (7,3%). “Bebês nessa faixa etária respondem por quase metade dos óbitos registrados entre crianças menores de 5 anos. É preciso celeridade para levar a proteção das vacinas a bebês e crianças, especialmente de 6 meses a 3 anos. A cada dia que passamos sem vacina contra Covid-19 para menores de 5 anos, o Brasil perde 2 crianças”, aponta a epidemiologista e professora da Faculdade de Medicina de Petrópolis (UNIFASE/FMP) Patricia Boccolini. O pesquisador ponderou, no entanto, que mais estudos seriam necessários para identificar as causas do alto número de mortes de crianças brasileiras se comparadas às de outros países, bem como sobre a concentração dos óbitos nas regiões Norte e Nordeste e de crianças na fase do pós-neonatal. Cristiano Boccoli, outro autor do levantamento, explica que os dados são de óbitos infantis em que a Covid-19 foi registrada como causa principal e aos que a doença foi uma das causas da morte, quando a infecção acentuou um fator de risco ou esteve associada à causa principal de óbito. “Na análise do Observa Infância, consideramos também as mortes em que a Covid-19 agravou um quadro preexistente. Quer dizer, embora nem todas essas crianças tenham morrido de Covid-19, todas morreram com Covid-19”, explicou. Fonte: Edenevaldo Alves

Clipping
Gonzaga Patriota destina recursos para a construção da CEASA em Santa Maria da Boa Vista

Uma boa notícia para os produtores rurais dos Projetos Caraíbas e Fulgêncio, em Santa Maria da Boa Vista. Nesta terça-feira (28), o deputado federal Gonzaga Patriota informou ao prefeito George Duarte que já está disponível uma emenda no valor de R$ 238 mil para o início da construção da CEASA em Caraíbas, que atenderá aos agricultores do Projeto Fulgêncio e demais localidades. O deputado ainda revelou que tem mais duas ordens bancárias para sair no valor de R$ 500 mil, totalizando mais de R$ 700 mil para a construção da Central de Abastecimento. A solicitação foi feita pelos vereadores Pica-pau e Binha do Mercado. “Fizemos essa emenda de 750 mil reais e vamos fazer tantas outras necessárias para a construção da CEASA de Caraíbas, de Santa Maria da Boa Vista. Agradeço aos nossos vereadores Pica-pau e Binha do Mercado pela indicação dessa importante obra para a economia da agricultura da região”, disse Patriota.

Clipping
Sancionada com vetos a lei que regulamenta a profissão de educação física

Foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (28) a Lei 14.386/22, que regulamenta o exercício das atividades dos profissionais de educação física e regulariza a lei que criou os conselhos federal e regionais de educação física. A norma foi sancionada com dois vetos. Em um deles, o presidente da República, Jair Bolsonaro, não reconheceu a competência dada ao Conselho Federal de Educação Física (Confef) de estabelecer, mediante ato normativo próprio, a lista de atividades e modalidades esportivas que exijam a atuação desse profissional. O presidente considerou o trecho inconstitucional. “O dispositivo viola a previsão de que somente a lei pode limitar o exercício profissional, conforme o disposto no inciso XIII do caput do artigo 5º da Constituição, o qual assegura o livre exercício de qualquer profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer”, argumentou Bolsonaro na justificativa do veto. Também haveria, segundo o Poder Executivo, reserva de mercado que privilegiaria esses profissionais em detrimento de outros. Além disso, o governo lembra que a Lei 9.696/98, que regulamenta a profissão, já estabelece as competências dos educadores físicos. ConselhosA Lei 14.386/22 é fruto do  Projeto de Lei 2486/21, apresentado pelo Executivo para sanar controvérsias judiciais sobre a criação dos conselhos federal e regionais de educação física — criados por iniciativa do Congresso por meio da Lei 9.696/98, apesar de tal incumbência caber ao governo federal.  A proposta foi aprovada pela Câmara dos Deputados em fevereiro deste ano, onde foi relatada deputado Roman (PP-PR). Atribuições e taxasCaberá aos conselhos regionais registrar os profissionais e expedir suas carteiras de identidade profissional, arrecadar taxas e anuidades, julgar infrações e aplicar penalidades, além de fiscalizar o exercício profissional como um todo, dentre outras obrigações. O Conselho Federal de Educação Física ficará com os valores pagos pela inscrição dos profissionais e das pessoas jurídicas e com 20% das anuidades, os conselhos regionais terão 80% das anuidades. DiplomaBolsonaro também vetou a exigência de o Ministério da Educação reconhecer ou autorizar todos os diplomas de curso superior. De acordo com o Executivo, o dispositivo contraria o interesse público e causaria prejuízo aos detentores de diplomas emitidos pelos demais sistemas de ensino que compõem a educação nacional. “Ressalta-se que os cursos superiores oferecidos por universidades estaduais, distritais ou municipais, incluídos os de educação física, não se submetem à autorização ou ao reconhecimento do Ministério da Educação”, afirma o governo. Podem atuar na área quem tem diploma em curso de educação física, os formados em cursos superiores de tecnologia conexos à educação física (como tecnólogo em educação física ou em gestão desportiva em lazer) e os que tenham comprovadamente exercido atividades próprias dos profissionais de educação física até a entrada da Lei 9.696/98. O Congresso Nacional ainda precisa analisar esses vetos. Para que um veto seja derrubado, é necessária a maioria absoluta dos votos de deputados (257) e senadores (41), computados separadamente. Ainda não há data marcada para análise dos vetos. Fonte: Agência Câmara de Notícias