Cresce número de empregados domésticos com curso superior

Claudenice Santana da Silva, 51 anos, que já foi doméstica, cozinheira, na sala de aula da faculdade onde cursa administraçãoEstá nos bancos das universidades um retrato claro da mudança que ocorreu na última década no universo dos trabalhadores domésticos. Não foi só o número de empregados que diminuiu nem só o salário médio que subiu: eles se qualificaram.

Há hoje no Brasil 63,4 mil trabalhadores domésticos com diploma universitário.

É pouco menos de 1% do total de 6,6 milhões de empregados que atuam hoje no Brasil, mas o crescimento é vertiginoso. Em 2002, não chegavam nem a 6.000, ou 0,09% do total da categoria naquela época.

Os dados foram compilados pelo professor José Pastore, especialista em relações do trabalho, a partir de informações das Pnads (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2002 e 2011, realizadas pelo IBGE.

Diferentemente de outros profissionais que aos 20 ou 30 anos chegam à universidade, a maior parte dos domésticos vai para a sala de aula aos 40, 50 anos.

Isso porque, há alguns anos, era preciso antes cuidar da casa, da família e de seus patrões. “Era proibido estudar. Quem estudava ia para a rua”, diz Benedita Gonçalves Lima, 57, que aos 12 anos já trabalhava como empregada em São Paulo.

A primeira família que a empregou se recolhia cedo para dormir. Mas ela ainda se recorda da época em que esses mesmos patrões batiam na porta de seu quarto para que ela servisse as visitas.

Quando sua irmã saiu de Minas Gerais para trabalhar em São Paulo, ela veio junto e as duas encontraram emprego na casa de uma família de comerciantes árabes na avenida Paulista.

“A minha irmã se casou e arranjei emprego de cozinheira, aos 15 anos, com outra família. Era um tempo em que nem carteira assinada existia”, diz.

Aos 19 anos, foi a sua vez de se casar. Conseguiu, aos poucos, fazer um curso técnico de enfermagem. “Mas sempre gostei de cozinhar, desde pequena. Aos 9 anos, colocava o caixote do lado do fogão a lenha em Minas para fazer comida para a família.”

Foi só lá pelos anos 90, ao trabalhar em Santo André, região do ABC paulista, aos 30, que ela conseguiu o primeiro registro em carteira no setor de doméstica.
salário maior

Anos depois, mãe de três filhos e avó de quatro netos, decidiu ir para a faculdade. O curso escolhido, diverte-se, não poderia ser outro: gastronomia.

“Na minha turma, só haviam duas outras amigas na mesma faixa de idade: uma bancária e uma dona de casa. Doméstica mesmo, só eu”, diz Benedita, que está formada há um ano após estudar em uma faculdade da região central de São Paulo.

O que a motivou a estudar, diz a profissional, foi a possibilidade de conseguir um salário maior.

Antes do curso, o ganho mensal era de R$ 900. Com o diploma em mãos, foi trabalhar na casa de uma estilista e a remuneração é, segundo diz, é quase quatro vezes maior.

“A faculdade me valorizou. Quando cheguei nesse emprego, impus minha condição: sou gastrônoma formada. Quero ganhar tanto. Muito diferente do passado”, diz.

O que acontece no setor doméstico não é diferente do que acontece com os demais. A diferença média de salário entre os brasileiros com diploma e os que não têm diploma foi de 219,4% em 2011, segundo dados divulgados recentemente pelo IBGE.

FORA DA ÁREA

Colega de profissão e de panela de Benedita, Claudenice Santana da Silva, 51, optou por uma área distante do serviço doméstico.

“Gosto de administração e pretendo atuar no setor público. Sinto que, apesar de toda a melhora, o trabalho de doméstica, cozinheira ou faxineira ainda não é valorizado e há muito preconceito.”

Hoje estudante do segundo ano de administração na universidade Anhanguera, o que mais lhe incomodava na profissão era estar “à disposição” quando dormia na casa onde trabalhava.

“Eram jornadas longas, de até 15 horas por dia. Tinha de acordar às 6h para aprontar o café da manhã”, diz Claudenice.

Dos tempos de doméstica, a estudante traz outra recordação: a da patroa que escondia o pudim na geladeira para que só o marido comesse.

“Eu tinha 16 anos e isso me marcou. Comi, de marra mesmo, escondido, e não falei nada. No outro dia, ela fez um novo doce e me ofereceu. Muito feio isso, eu jamais comeria tudo. Foi uma atitude muito mesquinha”, afirma.

Claudenice buscou ajuda do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), programa do Ministério da Educação, para pagar parte dos R$ 700 mensais do curso, após ter trabalhado como cozinheira, cuidadora de idosos e outras funções no ramo doméstico. Hoje, aguarda um estágio em administração.

“Fui avó com 35 anos. Minha filha, hoje aos 32, já cursa nutrição. Meus netos estudam e é assim que tem de ser”, diz.

INSISTÊNCIA

Benedita da Silva, 52, está no segundo ano do curso de pedagogia, na Uniesp, em Sorocaba (SP).

Aos 12 anos teve de abandonar os estudos para trabalhar como doméstica e voltou a estudar depois de 40 anos longe da sala de aula. Fez cursos supletivos para recuperar o tempo perdido.

Apesar de não ter carteira assinada, o atual “chefe” permite fazer um horário flexível para que ela consiga conciliar o emprego com os estudos. “O combinado é deixar tudo limpo na casa, sem hora fixa de chegada e saída”.

A partir da próxima semana, começa a estagiar na área e não sabe ainda se conseguirá manter os dois empregos.

“A mudança [a faculdade] está fazendo muito bem para mim. Estou saindo do meu ‘mundinho’ e vendo que o mundo é maior. Não é só aquilo de lavar, cozinhar, passar e voltar para casa.”

“Ganhei essa autonomia e mais confiança em mim.”

Para o futuro, os planos já estão traçados: quer fazer outro curso, de biologia ou química, e ser professora no ensino médio. “Se bem que dizem que é uma loucura dar aula para adolescente”, diz.

Enquanto ocupa a função de aluna, sua maior dificuldade é aprender matemática. “Não vejo que os outros têm tanta dificuldade. Mas vejo a dificuldade em mim porque fiquei muito tempo fora da sala de aula”, afirma.

Fonte: Folha de S.Paulo

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Investigação sobre tiroteio em Buffalo analisa sinais de alerta

Uma investigação sobre o tiroteio no fim de semana em um supermercado no oeste de Nova York se voltará, nesta segunda-feira (16), para saber se as autoridades não perceberam sinais indicadores e bandeiras vermelhas deixados pelo atirador adolescente antes de sua matança racista. Autoridades disseram que Payton Gendron, de 18 anos, realizou um ato de “extremismo violento com motivação racial” quando abriu fogo com um rifle semiautomático no sábado (14) no Tops Friendly Market em Buffalo, onde 11 dos 13 mortos eram negros. “As evidências que descobrimos até agora não são enganosas. Este é um crime de ódio absolutamente racista que será processado como crime de ódio”, disse o comissário de polícia de Buffalo, Joseph Gramaglia, a repórteres no domingo (15). Além de buscar uma compreensão mais clara dos motivos do ataque de Gendron, as autoridades se concentrarão no que poderia ter sido feito para detê-lo, à medida que surgem detalhes do comportamento preocupante do adolescente no ensino médio e na sua atuação online. Gendron figurou no radar da polícia local em junho passado, quando a polícia o deteve depois que ele fez uma ameaça “generalizada” em sua escola, disse Gramaglia. Depois de uma avaliação de saúde mental na época, ele foi liberado após um dia e meio. Um manifesto de 180 páginas que circulou na internet – e que pode ter sido de autoria de Gendron -, delineava a Grande Teoria da Substituição, uma teoria de conspiração racista de que os brancos estavam sendo substituídos por minorias nos Estados Unidos e em outros lugares. Outro documento online, que também parece ter sido escrito por Gendron, esboça uma lista de tarefas para o ataque, incluindo limpar a arma e testar a transmissão ao vivo que ele usaria para transmitir o crime nas mídias sociais. Um porta-voz da promotoria do condado de Erie se recusou a comentar os documentos. Gendron se rendeu à polícia após o tiroteio. Fonte: EBC

Clipping
Inscrições para o Enem 2022 terminam no sábado

Os interessados em participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) têm até o próximo sábado (21) para fazer a inscrição, habilitando-se para as provas que serão aplicadas nos dias 13 e 20 de novembro. As inscrições para o Enem 2022, tanto para a edição impressa como para a digital, devem ser feitas na Página do Participante. Para acessá-la, clique aqui. A taxa é de R$ 85, e poderá ser paga via PIX, cartão de crédito ou por boleto bancário até o dia 27 deste mês. No momento da inscrição, o candidato escolhe se quer fazer a prova de língua estrangeira em inglês ou espanhol. Ele escolhe também se quer o exame impresso ou digital e informa se precisa de algum atendimento especial (acessibilidade, por exemplo). O estudante também preenche um questionário socioeconômico informando se já concluiu o ensino médio e outras informações cadastrais. Provas As provas serão nos dias 13 e 20 de novembro. Pela primeira vez, o candidato poderá apresentar a versão digital de documento de identificação no dia da prova. Serão aceitos e-título, Carteira de Habilitação Digital ou RG Digital. O candidato deverá abrir o aplicativo e apresentar o documento ao fiscal. Capturas de tela não serão aceitas. O exame terá quatro provas objetivas e uma redação em língua portuguesa. Cada prova objetiva terá 45 questões de múltipla escolha. No primeiro dia do exame, serão aplicadas as provas de linguagens, códigos e redação (língua portuguesa, literatura, língua estrangeira, artes, educação física e tecnologias da informação e comunicação) e de ciências humanas e suas tecnologias (história, geografia, filosofia e sociologia). O tempo para realização da prova é de cinco horas e 30 minutos, contadas a partir da autorização do chefe de sala para o início das provas. No segundo dia do exame, serão aplicadas as provas de ciências da natureza (química, física e biologia) e matemática e suas tecnologias. No segundo dia, o tempo para realizar o exame é de cinco horas, contadas a partir da autorização do chefe de sala para o início das provas. Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados no Portal do Inep até o terceiro dia útil após a última prova.

Clipping
Inmet prevê geada, neve e avanço do frio no país

A semana começará com geada na Campanha Gaúcha; neve em Santa Catarina e na Serra Gaúcha; frio adentrando na Região Centro-Oeste; e ventos cada vez mais forte no litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. É o que prevê o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Tudo em decorrência da formação e deslocamento de uma frente fria pelo país, que deverá causar também chuvas fortes em áreas do Mato Grosso do Sul, no sul do Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais e em áreas de São Paulo e Rio de Janeiro. Ciclone subtropical Preocupados com a possibilidade de alguns efeitos mais extremos causados pela mudança no clima, o Inmet e a Marinha divulgaram uma nota conjunta na qual informam haver “condições favoráveis para a formação de um ciclone subtropical em alto-mar, na posição 36°S 042°W, aproximadamente 530 milhas náuticas (980 km) ao sul da costa do estado do Rio Grande do Sul, com rápido deslocamento para sudoeste e posterior deslocamento para oeste/noroeste, a partir da manhã do dia 16 de maio”. Ainda de acordo com a nota, caso as condições atmosféricas persistam, o sistema deverá ser classificado como “tempestade subtropical”. “A atuação deste sistema meteorológico poderá causar ventos de até 55 nós (100 km/h) no entorno do ciclone, principalmente nos setores leste e sudeste desse sistema, até a noite do dia 16 de maio”, complementa a nota. Na internet, a Marinha mantém atualizados os alertas de mau tempo. Informações meteorológicas podem ser visualizadas também por meio do aplicativo Boletim ao Mar, disponível para download para os sistemas Android e iOS. Terça-feira De acordo com o Inmet, a madrugada de terça-feira (17) é de formação de geada no norte de Santa Catarina e em grande parte do Paraná e no sul e sudoeste do Mato Grosso do Sul, podendo ser forte no centro e sul do Paraná. O instituto prevê queda mais acentuada nas temperaturas de áreas das regiões Centro-Oeste e Sudeste, bem como no sul da região Amazônica. “No decorrer do dia, um ciclone extratropical avança próximo ao litoral do Rio Grande do Sul intensificando ainda mais os ventos no sul e leste do estado. As rajadas de vento poderão ultrapassar os 100 km/h em algumas localidades do extremo sul do Rio Grande do Sul”, complementa o Inmet. Ainda segundo o instituto, a massa de ar frio continuará atuando em grande parte do Brasil até o final da semana. Fonte: EBC