Escolas adaptam-se às mudanças e acolhem mais crianças com necessidades especiais

A educação é um direito de todos, garantido pela Constituição. Em 2011 foram matriculadas mais de 558 mil crianças com necessidades educacionais especiais no Brasil. Há dez anos, o número não chegava a 142 mil. O diferencial é que hoje as escolas públicas e privadas devem garantir o acesso e a permanência desses estudantes no ensino regular e na educação especial.

Algumas crianças precisam de um pouco mais de atenção. É o caso das crianças com autismo, o transtorno do desenvolvimento global. Essas crianças têm dificuldade de criar vínculos com outras pessoas, de comunicação e de socialização. Como se trata de um transtorno, o autismo é uma diferença e não uma deficiência. Muitas dessas crianças têm um grau de inteligência elevado: algumas vezes parecem mais desatentas ao ambiente, embora isso não signifique que estejam alheias ao que acontece à sua volta.

Trabalhar na educação de crianças com esse transtorno exige muito do educador. Sheila Nantes é mãe de duas crianças com autismo: Vítor, de 14 anos, e Vinícius, com 10, matriculados na rede pública de ensino do Distrito Federal. Para a mãe, encontrar vagas não foi problema. O problema é a capacitação dos professores. Exemplo disso é que a mãe teve de trocar um dos filhos de escola, por ele ter sido deixado sozinho em sala de aula pela professora.

Sheila acredita que, além de capacitação, os professores devem ter vocação para a tarefa:  “Não adianta só você te ter um diploma, você tem de ter dom. Criança especial  é diferente, você tem que saber gostar, você tem de amar. Não adianta só chegar e dizer ‘eu sou professora de ensino especial’ só para ficar com um aluno na sala, só porque tem preguiça de dar aula para vários alunos. Assim, quem sofre são os pais e as crianças”, diz.

Uma das dificuldades na educação das crianças com autismo é a variedade das formas com que o transtorno se manifesta. Existem os que não falam, os que falam muito, os que não aceitam nenhum tipo de carinho e os extremamente carinhosos, os agressivos e os que ficam completamente alheios aos estímulos do ambiente.

Outra dificuldade passa pela falta de investimentos. A psicopedagoga Geici Mendes é professora de uma turma de educação especial no Distrito Federal. Na turma de Geici estudam dois alunos com graus diferentes de autismo. Ela conta que muitas vezes tirou dinheiro do próprio bolso para providenciar o material necessário para as aulas. Mas não se arrepende disso:

“Quando a criança dá o primeiro passo, os pais ficam felizes, acham aquela coisa maravilhosa. Aqui, quando eu vejo um progresso, mínimo que seja, é muito gratificante, eu comemoro com eles”, conta a professora.

O autismo é quatro vezes mais comum no sexo masculino do que no feminino. É encontrado em todo o mundo e em famílias de qualquer configuração racial, étnica e social e ainda não se conseguiu  provar qualquer causa do transtorno. Mesmo assim, o preconceito é motivo de sofrimento para os pais. Muitos acham que a conscientização é a saída. É o caso de Cícero Santos, pai de Vitor e Vinícius, que evita as brigas com aqueles que não entendem seus filhos: “Eu passei por cima disso [do preconceito]. Às vezes eu ficava chateado, minha esposa até chorava. Hoje não, a gente procura passar para as pessoas o que aprendeu, quando uma pessoa não entende, a gente tenta explicar”, diz o pai.

Para a especialista em educação de crianças com autismo Márcia Lima, a compreensão e o apoio dos pais são fundamentais para o sucesso da criança: “É um processo muito complexo esse de se deparar com o diagnóstico. Depois que você entende, depois que você já amadureceu essa ideia, aí você é capaz de viver todas as possibilidades que esse filho pode te dar. Se para nós profissionais já é difícil, imagina para uma mãe que às vezes espera um ‘eu te amo’, ou um carinho que não vem. Então a gente tem pais que relutam muito em incluir seu filho na educação comum”, destaca a especialista.

Entre preconceitos, acolhimentos e superações, Sheila Nantes diz que iria até o final do mundo por um de seus filhos, e garante que não há nada mais satisfatório para uma mãe do que acompanhar a evolução da criança:

“Antes eu achava que nunca ia poder ver meu filho lendo ou escrevendo. E hoje eu vejo meu filho escrevendo, mesmo que com letrinhas tortas. Isso para mim é uma gratificação muito grande. Quando eu vejo meu filho escrevendo ‘mãe’ é como se eu estivesse vendo meu filho nascer”, conta Sheila emocionada.

Fonte: Agência Brasil

 Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Comissão debate medidas de socorro ao setor de transporte coletivo

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados promove audiência pública na quinta-feira (30) para debater medidas de socorro ao setor de transporte coletivo urbano. A discussão foi sugerida pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO). Ele cita dados do Ministério da Economia segundo os quais o setor foi um dos cinco segmentos com maior prejuízo durante a crise sanitária de Covid-19. As operadoras de ônibus nas grandes e médias cidades do País amargaram prejuízo acumulado de R$ 16,7 bilhões entre março de 2020 e junho de 2021, agravando a crise já enfrentada pelo setor antes mesmo da pandemia, segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). “Ao final de 2020, o Congresso Nacional aprovou o PL 3364/20, que previa um aporte de R$ 4 bilhões, destinado aos municípios que cumprissem determinadas contrapartidas, e que deveriam ser repassados às empresas de transporte público urbano. Contudo, a proposição foi vetada integralmente pelo presidente da República. Até o presente momento, o problema se arrasta, sem solução”, lembra Elias Vaz. ConvidadosForam convidados para a audiência: – o coordenador de Mobilidade Urbana do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Rafael Calabria; – o diretor conselheiro fiscal do Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos (Sindnapi), Diógenes Sandim Martins; – o diretor administrativo e institucional da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Marcos Bicalho dos Santos; – um representante da Secretaria Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano; e –  um representante da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP). Fonte: Agência Câmara de Notícias

Clipping
Covid-19: Brejinho suspende aulas presenciais da Educação Infantil

A Prefeitura de Brejinho divulgou comunicado nas redes sociais no início da tarde desta segunda-feira (27), informando que as aulas presenciais da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino foram suspensas. O comunicado destaca que a decisão foi tomada pela Secretaria Municipal de Educação em comum acordo com a Secretaria Municipal de Saúde. De acordo com o comunicado, o período de suspensão será de quinze dias, retornando as aulas presenciais no dia 11 de julho. Ainda segundo o comunicado, a decisão considera o aumento progressivo do número de casos de Covid-19 no município.  “A decisão foi tomada pensando na proteção de nossas crianças que ainda não foram vacinadas”, destaca o comunicado. Fonte: Nlll Junior

Clipping
Ministério quer ampliar atendimento psicossocial de crianças e jovens

O Ministério da Saúde instituiu a política temporária de incentivo financeiro federal para estados e municípios que queiram ampliar o atendimento local a crianças e adolescentes diagnosticados com ansiedade ou depressão. A ajuda financeira federal para que prefeituras e governos estaduais e do Distrito Federal ampliem e capacitem os serviços que oferecem à população nos Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis (CAPSi) está detalhada na portaria ministerial nº 1.836, assinada pelo ministro Marcelo Queiroga, e publicada no Diário Oficial da União de hoje (27). Em um relatório publicado em 2021, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Instituto Gallup apontam que, no mundo, uma em cada sete crianças e jovens de 10 a 19 anos de idade sofre com algum tipo de transtorno mental. No mesmo ano, a Sociedade Brasileira de Pediatria alertou médicos e a sociedade em geral para o fato de que os transtornos psicossociais entre adolescentes, que já vinha merecendo atenção crescente, tornou-se central após o início da pandemia da covid-19. Segundo a entidade médica, as alterações na rotina causadas pela crise sanitária podem provocar mudanças comportamentais como agressividade, falta de concentração, uso abusivo de tecnologia digital e/ou de drogas lícitas e ilícitas. Aporte financeiro O texto da portaria ministerial publicado hoje destaca que os incentivos financeiros federais visam a custear a ampliação do acesso do público infantojuvenil à rede pública de cuidado dos transtornos de humor “para o enfrentamento dos impactos advindos da pandemia da covid-19”.  Para isso, os recursos financeiros disponibilizados por meio da iniciativa deverão ser investidos na implantação de equipe(s) multiprofissional(is) de atenção especializada em saúde mental; aquisição de equipamentos e ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares e na informatização dos Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis. O aporte financeiro federal de custeio à implantação de equipe(s) multiprofissional(is) de atenção especializada em saúde mental deverá viabilizar as atividades relacionadas à assistência ambulatorial. Já o auxílio à compra de equipamentos e à ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares busca fomentar a ampliação de estruturas e a aquisição de equipamentos de informática, móveis para consultório e equipamentos médicos. O incentivo à informatização permitirá a compra de materiais e equipamentos de informática para os Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis (CAPSi) como forma de viabilizar a migração do registro e envio de produção assistencial para o sistema Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC e-SUS APS). Cada CAPSi habilitado fará jus a R$ 9 mil. Para solicitar os incentivos financeiros, prefeituras e governos estaduais e do Distrito Federal deverão dispor de espaço físico (ambulatórios, policlínicas ou unidades hospitalares) apto a permitir o trabalho de uma equipe multiprofissional de atenção especializada em saúde mental, com, no mínimo, duas salas dedicadas aos cuidados à ansiedade e depressão em crianças e adolescentes. Para a ampliação da assistência comunitária a crianças e adolescentes por meio da habilitação de equipe multiprofissional de atenção especializada em saúde mental dos tipos 1, 2 ou 3, serão destinados R$ 25,6 mil. Para a habilitação de equipes tipo 2 e/ou 3, R$ 50 mil. Já para a aquisição de equipamentos e ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares, o incentivo financeiro corresponde a R$ 23 mil para equipes tipo 1, 2 ou 3; e R$ 35 …