Neve atinge mais de 80 cidades do Sul do país e fecha rodovias e escolas

debora_duffeck_tomaz2A massa de ar polar que passou pela Argentina antes de chegar ao Brasil, no fim da semana passado, fez nevar em ao menos 87 cidades do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul nesta segunda (22) e terça-feira (23). A onda de frio, que atinge Sul, Sudeste, Centro-Oeste e até dois estados do Norte do país (Acre e Rondônia), é a mais prolongada dos últimos 13 anos, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

De acordo com a meteorologista Lucia Gularte, do Inmet, só em julho do ano 2000 houve temperaturas tão baixas registradas por tantos dias consecutivos.

“Foram 17 dias ao todo. Agora, já estamos há 7 dias com temperaturas abaixo de zero, e certamente isso vai continuar até sexta-feira, o que deve atrapalhar muito a agricultura, principalmente plantações de citrus e alface, além de trazer problemas de saúde”, diz.

Entre os locais atingidos pela neve, estão a região metropolitana de duas capitais: Curitiba e Florianópolis. Em Curitiba, o registro de neve feito nesta terça pelo Instituto Meteorológico Simepar é o primeiro desde 1975. Flocos de neve e chuva congelada foram vistos em vários bairros da capital paranaense, além de cidades como Araucária, Campo Largo, Lapa e São José dos Pinhais, incluindo o Aeroporto Internacional Afonso Pena.

Já em Santa Catarina, a Epagri/Ciram registrou neve na região do Morro do Cambirela, em Palhoça, na Grande Florianópolis. É a primeira ocorrência do tipo em 29 anos, vista também em outras cidades da região metropolitana, como Alfredo Wagner, Angelina e Rancho Queimado, e várias partes do estado. Ao todo, pelo menos 57 cidades catarinenses tiveram neve. Até as 6h30 desta terça, a menor temperatura havia sido em Bom Jardim da Serra, na região serrana, com -7° C. Em São Joaquim, na mesma região, fez -4° C, o que deixou árvores congeladas.

Interdição de rodovias e aula cancelada A neve no Sul do país também chegou a interditar rodovias federais (BR-116, BR-280 e  BR-282) e estaduais (SC-350, SC-390 e SC-280) em Santa Catarina, por causa do acúmulo de gelo na pista. Os trechos bloqueados das estradas começaram a ser liberados na manhã desta terça.

Além disso, a neve e o frio extremo provocaram o cancelamento de aulas em São Joaquim. Um morador de rua chegou a morrer em Biguaçu, na Grande Florianópolis, em decorrência do frio. E duas cidades do estado – São Joaquim e São José, na Grande Florianópolis – estão em situação de emergência para compra de cobertores e mantimentos às famílias mais pobres.

No Paraná, a pista escorregadia causou nesta segunda um acidente entre um carro e um caminhão na BR-277, deixando duas pessoas mortas e três feridas. A rodovia foi bloqueada por volta da meia-noite, entre os km 302 e 388. Em Guarapuava, os telhados de uma loja e de um ginásio de esportes desmoronaram por causa do peso na neve. Apesar do susto, ninguém se feriu.

No Rio Grande do Sul, até as 12h desta terça, não havia informações sobre incidentes ou bloqueio de rodovias por causa da neve.

Neve no sul do PR é rara De acordo com o meteorologista Marcelo Schneider, do Inmet, a neve que atinge Santa Catarina e o Paraná é uma das maiores em décadas. Em algumas cidades, como Curitiba, a última ocorrência havia sido há 38 anos.

“O acúmulo de neve no sul do Paraná também é raro. E o que chama a atenção é a duração dos dias frios, a permanência do ar polar e a neve, e não as temperaturas mínimas absolutas”, explica Schneider.

Para o meteorologista Henri Rossi Pinheiro, do Inpe, em 2010 e 2011 houve muito mais neve nas serras gaúcha e catarinense. Por outro lado, desta vez nevou muito em Guarapuava, no Paraná, como não nevava há 50 anos.

Frio no Centro-Oeste e Norte Segundo Pinheiro, essa foi a onda de frio mais intensa do ano, e não deve ter outra massa assim até dezembro.

“Essa massa provocou 14° C em Rio Branco, no Acre, e chegou até o Espírito Santo. A partir de sexta, o ar frio deve começar a perder intensidade e se deslocar em direção ao oceano. Aí o país deve sofrer um leve aumento nos termômetros”, explica o meteorologista.

Schneider, do Inmet, também destaca a situação no Centro-Oeste, onde predomina o clima quente e seco. “Em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, registramos 4,6° C, com sensação térmica de 0° C, e Cuiabá chegou a 9° C, com sensação de 4° C, por causa do vento”, ressalta.

Em São Paulo, a menor mínima do ano foi registrada pelo Inmet nesta terça, no Mirante de Santana, Zona Norte da capital: 9,2° C. O recorde anterior de 2013 havia sido obtido no dia 9 de maio: 10,2° C. A menor temperatura já registrada na cidade foi em 1955: -2,1° C.

“Em pleno inverno, São Paulo ainda não havia baixado dos 10° C. E, em 70 anos, isso só ocorreu cinco vezes aqui. A sensação térmica chegou a 6° C”, diz Schneider. E o que chama a atenção são as temperaturas máximas baixas, em torno de 11° C entre esta terça e quarta.

Nos próximos dias, até sexta (26), ainda pode gear nos três estados do Sul, com previsão de chuvas isoladas. Neve mesmo só deve cair ainda nesta terça – a partir desta quarta (24), fica mais improvável. As temperaturas mínimas para o RS nesta quarta devem girar em torno de -6° C; -7° C em SC; e -5° C no PR. A sensação térmica menor vai depender de outros fatores, como vento e umidade, apontam o Inmet e o Inpe

Fonte: G1

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL