Pernambucana estudante da USP é eleita presidente da UNE

Pernambucana de Garanhuns, terra do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Virgínia Barros, 27, é a nova cara da UNE (União Nacional dos Estudantes) para o biênio 2013-2015.

Eleita presidente da entidade ontem, em Goiânia, em congresso que confirmou a hegemonia do PC do B sobre o movimento estudantil, que comanda desde 1991, ela rebate as críticas de governismo e de afastamento da UNE da vida real dos estudantes.

Vic, como é conhecida, diz, por exemplo, que o governo Dilma Rousseff é “inconsequente e omisso” na fiscalização da qualidade do ensino superior privado.

“A entrada de capital estrangeiro é preocupante, e não há regulação sobre padrões mínimos de qualidade nas faculdades privadas”, diz a aluna de letras da USP, com sotaque diluído pelos dois anos na capital paulista.

Virgínia define a gestão Dilma como “contraditória”, pela “política econômica conservadora”, e destina o mesmo adjetivo ao governo Eduardo Campos (PSB-PE), por pendências na saúde e na educação básica.

Neutra no primeiro turno e pró-Dilma no segundo turno de 2010, a UNE, afirma ela, ainda não discutiu 2014, mas vê uma eventual postulação dissidente como “legítima” –Campos é descrito como “grande governador” que “ainda vai contribuir muito para o Brasil”.

PRESIDENTA

O viés situacionista se acentua em menções ao julgamento do mensalão como “político” e na defesa das nomeações partidárias nas gestões do PC do B, seu partido, no Ministério do Esporte (“São indicações referendadas nas urnas.”).

O tom diplomático dos recém-eleitos desaparece em comentários de Virgínia nas redes sociais –ali há “caos” no metrô de São Paulo, o “pós-modernismo” de Marina Silva “dá enjoo” e o papa Francisco é “reacionário”.

Sobre leis no Congresso para mudar a meia-entrada no país, que podem aumentar em mais de 700% as carteirinhas emitidas pela UNE, a dirigente prefere não falar em cifras e diz que a ampliação do benefício para não-estudantes de baixa renda, aprovada no Senado, ainda “carece de regulamentação”.

Torcedora do Sport, do Recife, e fã de Rolling Stones e Strokes, ela, como Dilma, prefere ser chamada de presidenta. “Para democratizar também o português.”

Fonte: Folha.com

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
TJPE fará casamento comunitário para 100 casais em Petrolina (PE)

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) promoverá, no próximo dia 21 de junho de 2022, um evento de Casamento Comunitário para 100 casais de baixa renda, residentes na cidade de Petrolina. O evento ocorrerá nas dependências do Fórum Dr. Manoel Souza Filho, no centro da cidade, e será realizado através do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Petrolina (CEJUSC). Segundo o informe do tribunal, os interessados devem comparecer no Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CEAM), localizado na Av. Gilberto Freire, s/n, Vila Mocó, próximo ao Parque Josefa Coelho, entre os dias 16 e 20 de maio, das 8h às 12h, munidos dos seguintes documentos para a devida inscrição: Certidão de Nascimento original, se solteiros;Certidão de Casamento com a averbação do divórcio, se divorciados;Certidão de Casamento e Certidão de Óbito, se viúvos;Identidade ou Carteira Profissional ou Carteira de Habilitação;CPF;Comprovante de residência com endereço de Petrolina;RG, CPF e comprovante de residência de 2 testemunhas conhecidas para assinarem documentação em dia e hora agendados (não é necessário, nesse momento, o comparecimento das testemunhas, basta apenas que o casal apresente os documentos das mesmas). Com a finalidade de evitar aglomerações, basta que apenas um dos interessados compareçam ao local de inscrição. Por se tratar de um evento gratuito e, ainda, com o objetivo de fomentar a cultura do servir, é sugerida a doação de 1kg de arroz e 1kg de feijão por casal. Fonte: Edenevaldo Alves

Clipping
Brasil e Japão assinam acordo para desenvolver agricultura digital

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o governo japonês, por meio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA), firmaram um projeto de cooperação para o desenvolvimento da agricultura digital e de precisão no Brasil. As primeiras ações do projeto estão previstas para segundo semestre de 2022. O projeto Desenvolvimento Colaborativo da Agricultura de Precisão e Digital para o Fortalecimento do Ecossistema de Inovação e a Sustentabilidade do Agro Brasileiro visa promover o desenvolvimento de tecnologias agroindustriais sustentáveis, melhorar a produtividade e a sustentabilidade ambiental, e a rentabilidade do setor agrícola por meio da colaboração público-privada entre o Japão e o Brasil. A iniciativa pretende apoiar o estabelecimento de uma plataforma de dados digitais da agropecuária. Além de apoio ao ecossistema de inovação agropecuária no Brasil, o projeto tem como principais componentes o desenvolvimento de uma plataforma de dados da agropecuária brasileira para disseminação de tecnologias e informações e a execução de três projetos piloto nas cadeias produtivas de pecuária de corte, grãos e sistemas agroflorestais. Fonte: DP

Clipping
Famílias de renda baixa sentem mais a inflação, aponta Ipea

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, neste domingo (15), os dados de abril do indicador de inflação por faixa de renda. O indicador apontou que a alta inflacionária foi maior para as famílias de menor renda do que as de renda mais alta no período. Para as famílias de renda mais alta, a inflação variou 1%. Já para as famílias de renda mais baixa, 1,06%. Os dados acumulados no ano, de janeiro a abril, indicam índices de inflação de 3,7% para o segmento de renda alta e 4,5% para o segmento de renda muito baixa. Famílias de renda baixa As famílias de renda mais sentiram a pressão dos preços dos alimentos, ancorados pelos itens da cesta básica. O item “alimentação e bebidas” respondeu por 61% de do apurado em abril, com destaque para as altas do arroz (2,2%), feijão (7,1%), macarrão (3,5%), batata (18,3%), leite (10,3%), frango (2,4%), ovos (2,2%), pão francês (4,5%) e óleo de soja (8,2%). A segunda maior contribuição veio do grupo “saúde e cuidados pessoais”, por meio da alta de 6,1% dos medicamentos.O Ipea aponta ainda que a redução de 6,3% nas tarifas de energia elétrica atenuou a alta inflacionária para todas as faixas de renda. E esse alívio foi maior para as famílias de renda mais baixa que refletiu no consumo. Famílias de renda alta Já as famílias de renda mais alta foram atingidas pelo grupo “transportes”, responsável por 60% de toda a inflação registrada em abril, refletindo os reajustes das passagens aéreas (9,5%), do transporte por aplicativo (4,1%), da gasolina (2,5%), do etanol (8,4%) e do diesel (4,5%). Demais grupos, como medicamentos, as altas dos preços dos serviços pessoais (recreação, por exemplo), também elevaram a inflação dessas famílias.Em 12 mesesNo acumulado em 12 meses, as famílias de renda muito baixa, com renda domiciliar menor que R$ 1.726,01, apresentaram a maior alta inflacionária, com a índice de 12,7%, enquanto as famílias de renda alta, com renda domiciliar superior a R$ 17.260,14, registraram uma variação acumulada de 10,8%. Fonte: DP