Recife tem maior índice de sobrepeso entre capitais do Nordeste

Busca por salgados, massas, associado por falta de exercício contribui para aumento de pessoas com sobrepeso no Recife. (Foto: Katherine Coutinho / G1)O número de pessoas com excesso de peso no Recife cresceu nos últimos seis anos. Pesquisa do Ministério da Saúde mostra que a cidade tem o maior índice de pessoas com sobrepeso entre as capitais nordestinas, atingindo 53,3% da população em 2012 – em 2006, era 44,4%. A quantidade de obesos também aumentou, de 12,3% para 17%, índice que ocupa a sexta posição na região.

O crescimento do número de pessoas com problemas de peso está associado a um problema cultural, acredita o coordenador do programa de Cirurgia da Obesidade do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), da Universidade de Pernambuco (UPE), Pedro Cavalcanti. “O problema é que é muito mais fácil produzir um macarrão, que é bem calórico, do que comer corretamente. É claro que tem uma questão cultural, a comida típica. É muito carboidrato que o nordestino come, porque era necessário. O gasto calórico com trabalho braçal era muito grande [no passado]”, aponta Cavalcanti.

O levantamento ainda revela que frutas e hortaliças vêm sendo deixadas de lado pela população, com apenas 19,3% tendo ingerido as cinco porções diárias recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “É mais barata e prática a alimentação mais calórica. Se você tem acesso pleno ao alimento, você não come tão errado, quanto aqueles que têm acesso restrito”, acredita o médico.

O aposentado José Aureliano da Silva, 73 anos, está entre aqueles que tem sobrepeso e não consome diariamente o recomendado de frutas e legumes. “Eu compro, mas não como todo dia. Até tento fazer uma dieta, mas hoje mesmo comi cuscuz com guizado de galinha no café da manhã. Sei que não devia, só que não resisto ao tempero da minha mulher”, admite.

Quem também não resiste a um prato de macaxeira, bode guizado e outras comidas típicas é o administrador de empresas Herbert Alexandre, 63 anos. Atleta durante a juventude, manteve a alimentação calórica, mesmo com a diminuição de exercícios físicos ao passar dos anos. “A gente nem sempre se policia de diminuir o que come. Eu sei que estou acima do peso, a falta do exercício contribui. Fui criado com essa alimentação rica, você não consegue simplesmente deixar”, conta.

A diminuição do exercício físico, com a substituição de caminhadas por percursos feitos de carro ou motocicleta, também aparece como fator contribuinte para o aumento do número de pessoas com excesso de peso. O estudo aponta que apenas 31,7% da população da capital pratica atividade física nos horários livres. “O estilo de vida como um todo, como a falta cada vez maior de atividade física somada a uma alimentação cada vez mais desregrada, você vê pessoas acima do peso que podem ser tornar obesos se não houver uma mudança de atitude”, alerta Cavalcanti.

Trabalhando em um dos quiosques do Mercado de São José, no Centro do Recife, a comerciante Ana Patrícia Ferreira, 42 anos, admite que não consegue ter horário para as refeições nem para exercícios físicos. “Quando devia estar comendo, estou servindo almoço. Como salada, verdura, só não sou muito de frutas e suco. Sei que estou acima do peso, até tento fazer dieta, mas é muito difícil com essa rotina”, explica.

A ex-agente de saúde Maria Betânia Marques, 46 anos, sempre esteve entre os considerados ‘gordinhos’. “Eu tinha cinturinha até, perna grossa, rosto bonito”, recorda. Com 1,48 m de altura, ela chegou a pesar 130 quilos e acabou perdendo o emprego por levar mais tempo que os outros profissionais para cumprir as rotas de inspeção. “Ninguém entendia, era aquela coisa de ‘a gorda atrapalha a gente’. Você se sente descriminado”, lamenta.

Atualmente com 118 quilos, Maria Betânia está na fila para fazer a cirurgia de obesidade. “Eu estou me cuidando. Acabei desenvolvendo diabetes, pressão alta, sinto dor nas pernas. As pessoas precisam reconhecer que o sobrepeso é um problema e que as pessoas precisam de ajuda sim, o quanto antes. É horrível você explicar o que você sente e ninguém acreditar”, conta.

A rotina alimentar dela tinha coxinha, hambúrguer, pastel, leite condensado, entre outras guloseimas. A reeducação alimentar ajudou, mas a idade e os problemas de saúde resultantes dificultaram a luta com a balança. “Minha gordura não me impede de falar, mas as pessoas me discriminam. Admito, eu não me olho no espelho, só o rosto. Não consigo. Eu quero poder voltar a melhor, poder respirar bem, andar”, comenta Maria Betânia.

Já a estudante Beatriz dos Santos, 20, já se vê com dificuldade de grandes caminhadas. Está com cirurgia de redução do estômago marcada. “O que mais me incomoda é não encontrar roupa, mas estou fazendo isso principalmente por causa da minha saúde. Estou preocupada com o meu futuro, quero ser bióloga, trabalhar em um zoológico, reserva florestal”, diz. Para isso, sabe, precisa mudar de vida. “Sempre fui apaixonada por doces, sei que é uma mudança de atitude, de vida mesmo. Estou disposta a ter uma vida mais saudável”, acrescenta.

Para o médico do Huoc, o caso da ex-agente de saúde se soma a outros que começam com sobrepeso e falta de exercício e acabam resultando em um quadro de obesidade. “É uma bola de neve. No momento que o paciente engorda, aumenta os níveis de insulina, a resistência insulínica. A insulina da fome, ele engorda mais. Quanto mais diabético, mais fome, mais gordo vai ficando. É uma doença gravíssima, porque uma coisa vai levando a outra. A doença se agrava. Quanto mais obeso, mais doente. Hoje, é tudo uma síndrome metabólica, diabetes, hipertensão, obesidade, entre outros”, explica Pedro Cavalcanti.
Fonte: G1PE
Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)
Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Eleições 2022: restrições para agentes públicos começam a valer hoje

Restrições para servidores públicos e pré-candidatos às eleições de outubro passam a valer a partir de hoje (2), três meses antes do primeiro turno.  As medidas estão previstas na Lei nº 9.504/1997, conhecida como Lei das Eleições, e objetivam manter o equilíbrio entre os candidatos.  Políticos estão proibidos de autorizar a veiculação de publicidade estatal sobre os atos de governo, realização de obras, campanhas de órgãos públicos federais, estaduais e municipais, exceto no caso de grave e urgente necessidade pública. Nesse caso, a veiculação deverá ser autorizada pela Justiça Eleitoral.  Eles também não podem fazer pronunciamento oficial em cadeia de rádio de televisão, salvo em casos de questões urgentes e relevantes, cuja autorização também dependerá de autorização da Justiça Eleitoral.   A participação em inaugurações de obras públicas também está vedada, além da contratação de shows artísticos com dinheiro público.  Durante o período eleitoral, funcionários públicos não podem ser contratados, demitidos ou transferidos até a posse dos eleitos.  No entanto, estão liberadas a exoneração e a nomeação de cargos em comissão e funções de confiança, além das nomeações de aprovados em concursos públicos homologados até 2 de julho de 2022.  Em julho, o calendário eleitoral também prevê outras datas importantes para o pleito.  De 20 de julho até 5 de agosto, os partidos deverão realizar suas convenções para escolher oficialmente os candidatos que vão disputar as eleições.  A partir do dia 20, candidatos, partidos políticos, coligações e federações terão direito à solicitação de direito de resposta por afirmações consideradas caluniosas, difamatórias ou sabidamente inverídicas que forem publicadas por veículos de comunicação social.  O primeiro turno será realizado no dia 2 de outubro, quando os eleitores vão às urnas para eleger o presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais. Eventual segundo turno  para a disputa presidencial e aos governos estaduais será em 30 de outubro.  Fonte EBC

Clipping
Brasil ganha 4,3 milhões de eleitores desde 2020

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registra, hoje, 152 milhões de brasileiros aptos a votar. O número é 2,9% maior do que a quantidade de eleitores em 2020, quando 147 milhões de pessoas podiam ir às urnas. Esse também é o patamar mais alto desde 2008, ano do primeiro registro histórico listado nas estatísticas do TSE. Nesses últimos 14 anos, o número máximo de eleitores havia sido alcançado em 2019 — 147,8 milhões. A evolução do número de aptos ao voto só registrou queda em 2020, quando houve redução de quase 2 milhões de votantes em relação ao ano anterior. A maior parte da população habilitada ao pleito de outubro tem entre 45 a 59 anos, é mulher e possui ensino médio completo. Ao todo, 53% da população que deve ir às urnas em outubro é do gênero feminino, 26,72% tem grau de instrução até o ensino médio e 22,87% têm ensino fundamental incompleto. Entre jovens de 16 e 17 anos, público-alvo de campanhas de incentivo ao título de eleitor neste ano, são mais de 2,5 milhões de aptos. Os dados contribuem para entender como será definida a eleição marcada para exatos 93 dias. Confira datas importantes do calendário eleitoral: Confira datas importantes do calendário eleitoral:

Clipping
Redução dos impostos começa a baixar o preço da gasolina em postos

A redução de impostos continua provocando baixa no preço dos combustíveis e chegou a R$ 6,43 em alguns revendedores de Brasília. Esse era o valor cobrado pelo litro da gasolina em um posto ao lado do Palácio do Buriti. Segundo o presidente do Sindicombustíveis-DF, Paulo Tavares, a queda se deve à zeragem do PIS/Cofins, que são tributos federais, e à redução do ICMS, um imposto estadual. Ele observou que a Lei Complementar 192/2022 determinou o cálculo do ICMS com base na média dos últimos 60 meses. A lei definiu, ainda, que o ICMS incidirá uma única vez sobre os combustíveis, com alíquota única em âmbito nacional. A medida foi contestada pelos estados no Supremo Tribunal Federal (STF). Em 17 de junho, o ministro André Mendonça reafirmou a validade da lei, que entrou em vigor ontem. Os governadores, porém, recorreram.O presidente do Sindicombustíveis-DF, lembrou que, no caso dos impostos federais, a redução vale apenas até 31 de dezembro. Em janeiro do ano que vem, volta para o preço”, disse. “Temos também a queda devido ao ICMS, ou seja, o governo passou a arrecadar menos R$ 0,50 por litro de gasolina a partir de hoje.” Tavares explicou que, até o momento, o impacto da queda das alíquotas de impostos gira em torno de R$ 1. “A queda vai depender da distribuidora repassar tudo aos revendedores, e dos estoques”, afirmou. “Agora, se vai permanecer caindo ou não, depende do STF.” De acordo com o presidente do Sindicombustíveis-DF, se o STF julgar que a Lei Complementar é inconstitucional, porque obriga os governadores a terem uma alíquota de ICMS única, não haverá novas quedas de preço. “Mas se ele disser que é constitucional, os preços vão cair mais uns R$ 0,40, ou seja, a gasolina poderá ficar entre R$ 5,99 e R$ 6,50, dependendo do revendedor.” Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a nível nacional, o preço do litro da gasolina caiu do recorde histórico de R$ 7,390, na semana passada, para R$ 7,127. O preço médio em São Paulo passou de R$ 6,974 para R$ 6,697 nas duas últimas semanas. Em Goiás, também houve redução da gasolina: de R$ 7,478 para R$ 7,078. Fonte: DP