Sarney recebe cuidados médicos em apartamento de hospital em São Luís

O senador José Sarney (PMDB-AP) permanece internado no UDI Hospital, em São Luís, para tratar de uma infecção respiratória aguda. Segundo informações da assessoria de imprensa do hospital, o senador saiu da unidade de terapia intensiva (UTI) e está sendo tratado em um apartamento.

Sarney respira sem ajuda de aparelhos e está sendo medicado com antibióticos. Um novo boletim sobre o estado de saúde dele deve ser divulgado pela equipe médica responsável pelo tratamento amanhã (30) pela manhã. O corpo médico é chefiado pelo cardiologista Carlos Gama, profissional da confiança de José Sarney.

O senador foi levado para o hospital depois de passar mal no casamento de uma das netas, sentindo calafrios e febre. Até esse domingo (28), não havia sido identificado nenhum problema mais grave. No entanto, “após a realização de investigação clínica, laboratorial e radiológica detectou-se a presença de infecção respiratória aguda”, destacou Gama, em boletim médico divulgado nesta segunda-feira (29) de manhã pelo hospital.

Carlos Gama ressaltou no boletim de hoje cedo que o senador estava respondendo bem ao tratamento e, segundo a assessoria de imprensa, seu quadro continuou igual ao longo do dia.

José Sarney, 83 anos, começou a carreira política em 1955. Em quase 60 anos de atuação política, o parlamentar foi deputado federal e senador por diversas vezes. Ele assumiu a Presidência da República em 1984, após a morte de Tancredo Neves, presidente eleito depois do movimento  Diretas Já. Sarney era o vice-presidente.

Fonte: Agência Brasil

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Em encontro com Câmara e Pedro, Sandrinho e Patriota discutem agenda da emancipação

O prefeito de Afogados da Ingazeira Sandrinho Palmeira (PSB) esteve no Palácio do Campo das Princesas, onde se reuniu com o governador Paulo Câmara. Com ele, o pré-candidato a Estadual José Patriota e o pré-candidato a Federal Pedro Campos. “Tivemos uma pauta extensa sobre abastecimento de água, recuperação de estradas, festividades juninas, empreendedorismo e emissão de guia de transporte animal para beneficiar as pessoas de Afogados, Pajeú e de todo Pernambuco”, disse Patriota em sua rede social. Pedro Campos destacou falando à Rádio Pajeú que a agenda tratou também do cronograma de entregas previsto para o aniversário de Afogados da Ingazeira, bem como do calendário festivo. O anúncio deverá ser feito pelo prefeito. Fonte: Nill Junior

Clipping
Pesquisa: Lula tem 40% e Bolsonaro 32%, aponta CNN Brasil

A pesquisa CNN/RealTime Big Data para as eleições presidenciais de 2022, divulgada nesta quarta-feira (25) pela CNN Brasil aponta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 40% das intenções de voto no primeiro turno. Em seguida aparece o atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), com 32%. Ciro Gomes (PDT) aparece com 9%. Na sequência estão André Janones (Avante) e Simone Tebet (MDB), com 2%; e Luciano Bivar (União Brasil), com 1%. Não pontuaram os pré-candidatos Vera Lúcia (PSTU), Pablo Marçal (Pros), Sofia Manzano (PCB), Felipe d’Avila (Novo), Leonardo Péricles (UP) e José Maria Eymael (DC). De acordo com a pesquisa, brancos e nulos somam 9%, enquanto indecisos são 5%. O RealTime Big Data ouviu três mil pessoas por telefone, entre segunda e terça-feira desta semana. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Confira a seguir os cenários analisados pela pesquisa: Cenário ILula (PT) – 39%Bolsonaro (PL) – 31%Ciro Gomes (PDT) – 8%João Doria (PSDB) – 4%André Janones (Avante) – 2%Simone Tebet (MDB) – 1%Luciano Bivar (União Brasil) – 1%Vera Lúcia (PSTU) – 0Pablo Marçal (Pros) – 0Sofia Manzano (PCB) – 0Felipe d’Avila (Novo) – 0Leonardo Péricles (UP) – 0José Maria Eymael (DC) – 0Branco/Nulo – 9%Não sabe/Não respondeu – 5% Cenário IILula (PT) – 39%Bolsonaro (PL) – 31%Ciro Gomes (PDT) – 8%João Doria (PSDB) – 5%André Janones (Avante) – 2%Luciano Bivar (União Brasil) – 1%Vera Lúcia (PSTU) – 0Pablo Marçal (Pros) – 0Sofia Manzano (PCB) – 0Felipe d’Avila (Novo) – 0Leonardo Péricles (UP) – 0José Maria Eymael (DC) – 0Branco/Nulo – 9%Não sabe/Não respondeu – 5% Cenário IIILula (PT) – 40%Bolsonaro (PL) – 32%Ciro Gomes (PDT) – 9%André Janones (Avante) – 2%Simone Tebet (MDB) – 2%Luciano Bivar (União Brasil) – 1%Vera Lúcia (PSTU) – 0Pablo Marçal (Pros) – 0Sofia Manzano (PCB) – 0Felipe d’Avila (Novo) – 0Leonardo Péricles (UP) – 0José Maria Eymael (DC) – 0Branco/Nulo – 9%Não sabe/Não respondeu – 5% Cenário IVLula (PT) – 40%Bolsonaro (PL) – 33%Ciro Gomes (PDT) – 11%André Janones (Avante) – 2%Vera Lúcia (PSTU) – 0Pablo Marçal (Pros) – 0Sofia Manzano (PCB) – 0Felipe d’Avila (Novo) – 0Leonardo Péricles (UP) – 0José Maria Eymael (DC) – 0Branco/Nulo – 9%Não sabe/Não respondeu – 5%

Clipping
IBGE divulga 1º levantamento sobre homossexuais e bissexuais no Brasil

No Brasil, 2,9 milhões de pessoas de 18 anos ou mais se declaram lésbicas, gays ou bissexuais. Os dados são da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS): Orientação sexual autoidentificada da população adulta, divulgada hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esta é a primeira vez que esse dado é coletado entre a população brasileira e, na avaliação do instituto, ainda pode estar subnotificado. Os dados, coletados em 2019, mostram que 94,8% da população, o que equivale a 150,8 milhões de pessoas, identificam-se como heterossexuais, ou seja, têm atração sexual ou afetiva por pessoas do sexo oposto; 1,2%, ou 1,8 milhão, declaram-se homossexual, tem atração por pessoas do mesmo sexo ou gênero; e, 0,7%, ou 1,1 milhão, declara-se bissexual, tem atração por mais de um gênero ou sexo binário. A pesquisa mostra ainda que 1,1% da população, o que equivale a 1,7 milhão de pessoas, disse não saber responder à questão e 2,3%, ou 3,6 milhões, recusaram-se a responder. Uma minoria, 0,1%, ou 100 mil, disse se identificar com outras orientações. Segundo o IBGE, quando perguntadas qual, a maioria respondeu se identificar como pansexual – pessoa cujo gênero e sexo não são fatores determinantes na atração; ou assexual – pessoa que não tem atração sexual. Idade, escolaridade e região  De acordo com o IBGE, a população de homossexuais ou bissexuais é maior entre os que têm nível superior (3,2%), maior renda (3,5%) e idade entre 18 e 29 anos (4,8%). Em relação às regiões, o Sudeste registra o maior percentual, 2,1%, enquanto o Nordeste tem a menor, 1,5%. Consideradas apenas as mulheres brasileiras, 0,9% declara-se lésbica e 0,8%, bissexual. Considerados apenas os homens, 1,4% declaram-se gays e 0,5%, bissexuais. Tanto entre homens quanto entre mulheres, 1,1% disseram não saber e 2,3% recusaram-se a responder. A maioria, em ambos os grupos, declara-se heterossexual.    O resultado brasileiro foi, segundo o estudo, semelhante ao de outros outros países. Na Colômbia, por exemplo, 1,2% da população se autodeclara homossexual ou bissexual; no Chile, essa proporção chega a 1,8% – semelhante à do Brasil; nos Estados Unidos, a 2,9%; e, no Canadá, a 3,3%. Subnotificação Segundo o IBGE, o número de lésbicas, gays e bissexuais registrado na pesquisa pode estar subnotificado. O instituto aponta principalmente o estigma e o preconceito por parte da sociedade como fatores que podem fazer com que as pessoas não se sintam seguras em declarar a própria orientação sexual. As pesquisadoras responsáveis pelo estudo destacam que em cerca de 70 países a homossexualidade é crime, como mostra levantamento feito pela Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexuais (Ilga).  “A gente não está afirmando que existem 2,9 milhões de homossexuais ou bissexuais no Brasil. A gente está afirmando que 2,9 milhões de homossexuais e bissexuais se sentiram confortáveis para se autoidentificar ao IBGE como tal”, diz a analista da PNS Nayara Gomes.  Outro fator apontado para a subnotificação é a falta de familiaridade com os termos usados na pesquisa. “A gente ainda precisa percorrer um caminho com várias iniciativas de campanha, de sensibilização. Quanto mais perguntarmos, mais as pessoas vão se acostumar …