Preocupados com horário, estudantes chegam cedo para fazer Enem

Clipping

Às seis da manhã, Natasha Conceição de Souza, 17 anos, já estava na estrada rumo a Brasília, onde vai fazer pela primeira vez a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A jovem mora em Santa Helena de Goiás, distante cerca de 112 km da capital, e saiu cedo com o pai, de moto, para evitar imprevistos. O horário de abertura dos portões é às 12h (horário de Brasília). Às 13h, os portões serão fechados.

Natasha afirma que seu sonho é fazer enfermagem. Ela conta que estudou muito e está nervosa com a prova. “Eu estava com medo de perder a prova, porque eu nunca fiz. Estou com medo do meu nervosismo me atrapalhar.”

Na véspera, passou o dia estudando, fazendo um simulado dos conteúdos e treinando redação. Preocupado, o pai, Hércules de Souza Silva, acompanha a jovem. “Meu conselho é foco, tentar conter a ansiedade e fazer o que ela gosta de fazer, que é estudar. Eu digo a ela, “filha, estuda para ter uma carreira, porque a gente sem escolaridade é difícil. Estuda para arrumar um trabalho e não depender de ninguém”, completa o pai que é lavrador.

A estudante diz que o horário de verão não atrapalhou, porque já está acostumada a acordar cedo, por morar na área rural. Mesmo ansiosa, Natasha está confiante de que pode se sair bem. “Eu espero tirar uma nota boa para conseguir uma bolsa para entrar na faculdade. É meu sonho, me dar bem na prova, porque eu estudei bastante para isso”, diz a jovem.

Horário especial

Candidatos aguardam abertura do portões do UniCEUB em Brasília, para o primeiro dia de provas do Enem 2018
Candidatos aguardam abertura do portões do UniCEUB em Brasília para o primeiro dia de provas do Enem 2018 – Valter Campanato/Agência Brasil

No dia da primeira etapa do Enem, outros estudantes chegaram bem antes do horário de abertura dos portões para garantir a realização da prova. Na capital do país, vários inscritos, principalmente os que moram em áreas mais distantes do centro, chegaram bem cedo, por volta de 8h30.

Como o horário de verão teve início na madrugada de hoje, o país está com quatro fusos horários diferentes. Os estudantes das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul tiveram que adiantar o relógio em uma hora e os participantes das regiões Norte e Nordeste terão que seguir o horário de Brasília.

Lorena da Silva Gomes, 17 anos, foi a primeira a chegar em seu local de prova. Moradora de Águas Lindas, município goiano no Entorno do Distrito Federal, Lorena saiu de casa por volta das 7h, ao lado da mãe. “A gente não sabia que horas ia passar o ônibus, se ia ter engarrafamento, então chegamos mais cedo”, destaca Lorena.

A estudante quer estudar direito e conta que não fez nada de especial para controlar a ansiedade. Estudante do 2º ano do ensino médio, Lorena afirma que a prova deste ano é apenas um teste.

Descontração

No local onde Natasha e Lorena vão fazer prova, a administração montou pela primeira vez um espaço de descontração para que os estudantes pudessem relaxar antes da aplicação do exame. Na área de relaxamento, os jovens puderam aproveitar os momentos finais da abertura dos portões deitados em pufes, redes, jogando videogame, brincado com o tradicional “totó” ou pebolim e ouvindo música.

Quem curtiu bastante o espaço foi Brenda da Silva Souza, 19 anos. Deitada em um dos puffes, Brenda conta que é a primeira vez que vai fazer a prova do Enem. Ela chegou ao local de prova às 9h para evitar imprevistos e disse que não foi problema acordar cedo com o horário de verão. “A expectativa grande, espero que eu tenha uma nota alta e consiga fazer faculdade. Quero fazer psicologia”.

Ao lado da mãe, elogiou a iniciativa de criar o espaço de descontração. “Estou achando bem relaxante, está ajudando porque a gente fica muito ansioso. A gente pode curtir uma música aqui, está bem tranquilo o clima”, disse.

Candidatos aguardam abertura do portões do UniCEUB em Brasília, para o primeiro dia de provas do Enem 2018
A estudante Brenda aguarda ao lado da mãe Rosangela a abertura dos portões do Enem 2018 Valter Campanato/Agência Brasil

Enquanto aguarda a abertura dos portões, a jovem ainda ouve conselhos da mãe. “Pedi para ela não ficar muito ansiosa, confiar no que estudou. E essa música está ajudando a relaxar, né”, diz a mãe Rosângela de Souza.

Igor Miqueias Oliveira, 18 anos, também aprovou as atividades de relaxamento. O jovem mora na Cidade Ocidental (GO) e chegou por volta das 10h30, sem acompanhante.

É a segunda vez que faz a prova, como já conhece o esquema, está mais tranquilo. Mesmo assim, aproveitou o espaço de descontração. “Legal, está ajudando a relaxar. Ontem, joguei videogame, não estudei, me ajudou, estou mais relaxado. Acho que vou bem na prova”, diz Igor que pretende fazer o curso de direito.

São Paulo

Por ter acompanhado os casos de desespero de estudantes que em provas anteriores perderam a chance de participar por chegarem até um minuto depois de encerrado o horário para o fechamento dos portões, a estudante do ensino médio Vanessa Silva, de 17 anos, se antecipou para evitar contratempos. Ela chegou acompanhada de seu pai meia hora antes da abertura do local. “Estou muito ansiosa, mas estudei bastante e acho que estou preparada”, disse, acrescentando que pela primeira vez se submete ao teste com a pretensão de fazer, no ano que vem, um curso para comissária de bordo.

Já o estudante Lucas Mendes, de 17 anos, que faz o ensino médio, disse que veio para treinar e, no próximo ano, quer enfrentar novamente o desafio do Enem para ingressar em uma faculdade de ponta para o curso de sistema de informação. Ele chegou ao local pontualmente às 12h.

Logo após desejar boa sorte à filha Nauana Rodrigues, de 18 anos, que entrou apressada assim que os portões abriram, Vanessa Rodrigues, de 40 anos, contou que a garota espera por uma boa pontuação, já que estudou muito, desejando cursar biomedicina na Universidade de São Paulo (USP).

Clipping
Operação de buscas em Brumadinho ultrapassa Mariana e já é a mais longa da história de Minas Gerais

Já são 56 dias de buscas por vítimas em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Esta é a mais longa operação de resgate da história de Minas Gerais, ultrapassando Mariana, na Região Central do estado, que durou 55 dias. A Barragem do Feijão, da Vale, se rompeu no dia 25 de janeiro. De acordo com o último balanço divulgado pela Defesa Civil, 209 mortes foram confirmadas e 97 pessoas seguem desaparecidas. Vista aérea do distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, após o rompimento de barragens de rejeitos da mineradora Samarco — Foto: Ricardo Moraes/Reuters Em Mariana, 19 pessoas morreram. Um corpo não foi encontrado. No dia 5 de novembro de 2015, a Barragem de Fundão, da Samarco, pertencente à Vale e à BHP Billiton, se rompeu, destruindo distritos, afetando dezenas de cidades e contaminando o Rio Doce de Minas Gerais ao Espírito Santo. Não há data para a conclusão das operações em Brumadinho. Nesta quarta-feira (20), 137 bombeiros faziam buscas na área do rompimento da Barragem do Feijão. Eles se dividiam em 15 frentes de trabalho. Um helicóptero e 76 máquinas pesadas também participam da operação.

Clipping
Aprovado texto-base de projeto que libera capital externo nas aéreas

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (19), por 329 votos a 44, o texto-base do projeto de lei que altera dispositivos da Política Nacional do Turismo. O texto, que amplia a participação do capital estrangeiro nas companhias aéreas, gerou discussão entre os parlamentares no plenário. Neste momento, os deputados analisam as propostas de alteração à proposta.  O controle de empresas aéreas com sede no país pelo capital estrangeiro já foi autorizado por meio da Medida Provisória (MP) 863/18, que ainda depende de votação no Congresso Nacional. A MP perde a vigência na próxima semana e ainda não foi analisada por deputados e senadores em comissão mista. O texto altera aspectos da política de turismo e, entre os principais pontos, diminui o mínimo de quartos adaptados para pessoas com deficiência em hotéis e outros meios de hospedagem. Na lei atual, são exigidos 10% dos quartos para os meios de hospedagem já existentes. O texto define esse número em 3%, e  4,5% devem contar com ajudas técnicas e recursos de acessibilidade a serem definidos em regulamento. Pelo texto do relator, deputado Paulo Azi (DEM-BA), os estabelecimentos impossibilitados de obedecer a regra por motivos técnicos devido a riscos estruturais de edificação deverão comprovar a restrição por meio de laudo técnico estrutural. Tripulantes A proposta estabelece ainda um percentual de até 30% de tripulantes estrangeiros nas empresas que poderão atuar no espaço aéreo brasileiro. Um destaque do PSOL tenta alterar esse percentual para garantir que 80% de profissionais brasileiros atuem nas empresas aéreas estrangeiras. Parlamentares já rejeitaram uma proposta do partido Novo que permitia que todos os tripulantes das companhias aéreas fossem estrangeiros.

Clipping
Perda de status de país livre de sarampo é retrocesso, diz pediatra

A perda do status de país livre do sarampo representa um retrocesso para o Brasil e as Américas, segundo avaliação da vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai. O anúncio de que o país vai perder o certificado de eliminação da doença foi feito pelo próprio Ministério da Saúde esta semana, após a confirmação de um caso no Pará, no fim de fevereiro. “É triste ver voltar uma doença que já foi uma das principais causas de mortalidade infantil. A vacinação contra o sarampo mudou a mortalidade infantil, fez cair a mortalidade infantil. Conversando com um grupo de médicos como eu, que vi o sarampo, assinei muito atestado de óbito de criança que morreu por sarampo, ver a doença voltar é, sem dúvida alguma, um retrocesso que não precisava existir”, disse. Campanha de vacinação contra o sarampo – Foto: OMS/ONU Em entrevista à Agência Brasil, a pediatra, que atua há mais de 30 anos na área de imunização, defendeu estratégias com foco na comunicação com a população e na capacitação de profissionais. Ela lembrou que, apesar das baixas taxas de cobertura, a dose contra o sarampo sempre esteve disponível nos postos de saúde. “Todos os anos, a gente tem a campanha de atualização da caderneta de vacinação. Antigamente, era uma campanha só para o sarampo. Agora, passou a ser um dia para atualizar todas as doses em atraso.” A especialista afirmou que é necessário resgatar a memória sobre a importância da vacina na imunização e a compreensão de que, mesmo não tendo a doença, se parar de vacinar, o mal pode voltar. “Parece que as pessoas hoje prestam mais atenção em fake news, numa informação que não é verdadeira, e não valorizam a doença. Antigamente, quando o ministério fazia uma campanha contra o sarampo, as famílias iam correndo porque viam os amiguinhos dos filhos morrerem ou adoecerem por sarampo. Hoje em dia, ninguém mais vê sarampo.” Reversão do quadro Para Isabella Ballalai, o Brasil tem chance de reverter o quadro de surto de sarampo e reconquistar a condição de país livre da doença. Segundo ela, o brasileiro, em geral, acredita nas vacinas, mas precisa ser mais bem informado e ter maior facilidade no momento de acessar a dose. A pediatra destacou que o país conta atualmente com cerca de 36 mil salas de vacinação na rede pública, mas o funcionamento desses locais precisa ser revisto. “Os postos ainda funcionam em horário comercial e param para almoço. Precisamos rever isso porque as famílias trabalham. Na realidade, o que a gente precisa é parar o que está sendo feito e rever como fazer. Vacina a gente tem. Sala de vacinação a gente tem. Brasileiros que acreditam em vacinação são maioria. O antivacinismo não é um problema grande no Brasil, é muito pequeno e não é esse o motivo que faz com que as pessoas não se vacinem.” Vacinação A vice-presidente da SBIm reforçou que a vacinação contra o sarampo, em particular, não é prevista apenas para crianças – adultos até 49 anos também precisam ser imunizados. No Amazonas, segundo …