Treze milhões de pessoas precisam de ajuda urgente no Congo, alerta ONU

Clipping

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou nesta sexta-feira que as necessidades humanitárias na República Democrática do Congo (RDC) aumentaram de tal forma durante o último ano que atualmente o dobro de cidadãos, cerca de 13 milhões, precisam de ajuda urgente.

O chefe humanitário da ONU, Mark Lowcock, afirmou na conferência de doadores para a RDC que “as necessidades estão aumentando”, apesar de alguns avanços registrados quanto a infraestruturas, acesso à educação, taxas de mortalidade infantil e imunização.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou em um vídeo que o principal problema para a resposta humanitária “é a falta de financiamento”.

A ONU, por meio do plano de resposta humanitária lançado em janeiro para 2018, requer quase US$ 1,7 bilhão para ajudar 10,5 milhões de congoleses dentro da RDC.

A ONU e seus parceiros também precisam de US$ 504 milhões para atender cerca de 807 mil refugiados em países vizinhos da RDC e para apoiar os mais de 540 mil refugiados de outros países que se encontram nessa nação africana.

No total, são necessários US$ 2,2 bilhões em 2018, explicou Lowcock. Isso representa “menos de 50 centavos por dia para cada uma das pessoas cujas vidas tentamos salvar”, segundo Guterres.

O porta-voz do Escritório de Coordenação Humanitária da ONU (Ocha), Jens Laerke, explicou hoje que o órgão não fixou nenhum objetivo financeiro concreto para a conferência de hoje.

O Governo da RDC não quis comparecer à conferência ao considerar que esta oferece uma imagem “injusta” do país e que deve ser o Estado que deve tomar a iniciativa da gestão humanitária.

Sobre isso, Lowcock afirmou que o governo de Joseph Kabila “está assumindo as rédeas nesta crise” e que a ONU o apoia.

Ele destacou que no dia 18 de janeiro a ONU e Kabila lançaram conjuntamente o plano humanitário em Kinshasa e que o governador de Tanganika assinou recentemente um acordo para facilitar o acesso da ajuda humanitária e a coordenação.

Também destacou que o governo comprometeu US$ 100 milhões para os próximos 18 meses ou 24 meses para a reintegração de refugiados, de retornados e deslocados internos.

“Vamos continuar trabalhando juntos. Estamos falando com eles sobre um evento de acompanhamento a esta conferência, que acontecerá no local e data que estimar o Governo”, acrescentou Lowcock, resumindo não obstante a “deterioração” da situação no país.

Ele disse que a violência étnica “piorou no Leste” do país e que a metade da RDC, que antes não sofria o conflito armado, enfrentou altos níveis de violência durante 2017.

“Além disso, uma transição política está criando tensões e o RDC foi vítima de um choque externo devido à vertiginosa queda do preço de matérias-primas”, continuou.

Neste contexto, disse Lowcock, o número de pessoas que precisam de assistência humanitária na RDC em 2018 duplicou desde o ano passado para 13 milhões”.

A RDC também sofre epidemias, ao enfrentar o “pior surto de cólera em 16 anos, além da violência sexual”, finalizou o chefe humanitário.

Clipping
Temer defende acordos do Mercosul com União Europeia

O presidente Michel defendeu, hoje, em discurso durante reunião de cúpula do Mercosul realizada no Paraguai, que o bloco feche acordos com a União Europeia e a Aliança do Pacífico. O Mercosul é formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Na reunião de cúpula desta segunda, o presidente paraguaio Horacio …

Clipping
Anvisa suspende venda de fraldas da marca Turma da Mônica

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou hoje (18), em resolução publicada no Diário Oficial da União, a suspensão da venda de parte dos lotes de fraldas descartáveis do modelo Tripla Proteção, da marca Huggies Turma da Mônica, recomendando que os consumidores que já tenham comprado unidades consideradas irregulares …

Clipping
Temer sanciona lei que permite venda direta do óleo do pré-sal

Após aprovação pelo Senado e Câmara dos Deputados, já está em vigor a lei que autoriza a venda direta de óleo do pré-sal sem a necessidade de agentes intermediários. A venda será feita pela estatal Pré-Sal Petróleo S/A (PPSA), que poderá negociar diretamente com outras empresas a parte de óleo …