Feminicídios em Pernambuco caem 72% no mês de abril de 2022

Clipping

Os crimes contra a vida das mulheres estão em queda em Pernambuco. Em abril deste ano, houve uma redução de 72,7% no número de vítimas de feminicídio. Foram três casos no mês passado, enquanto no mesmo período de 2021 haviam sido 11. No somatório do ano, a diminuição também foi significativa: -43,6% (22 em 2022, contra 39 no conjunto do ano passado). Quando analisamos os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) contra mulheres de uma forma geral, incluindo a condição de gênero e todas as demais motivações, o recuo também se verificou no mês e no acumulado. Em abril deste ano, houve 20 mortes, contra 25 no quarto mês do ano anterior (-20%). Já no somatório, houve oscilação negativa de 2,3% (84 em 2022, contra 86 em 2021).

“Temos uma taxa de resolução de 95,5% dos casos de feminicídio neste primeiro quadrimestre, ou seja, quem comete esse crime bárbaro é rapidamente identificado e apresentado ao sistema de Justiça em Pernambuco. E nossa meta é chegar ao final do ano com 100% de conclusão dos inquéritos, com a indicação de autoria. Em conjunto com a Secretaria da Mulher e demais secretarias e órgãos integrados no Pacto pela Vida, trabalhamos intensamente para que a rede de proteção esteja atenta para acolher a mulher que rompe o silêncio e procura ajuda. Feito o registro em uma delegacia, e isso é fundamental, começa o trabalho de Polícia Judiciária, com a investigação e a solicitação de medidas protetivas. A Patrulha Maria da Penha, por sua vez, garante o cumprimento dessas medidas. A pronta resposta e a eficiência dessa cadeia são um instrumento poderoso de combate à impunidade e contribuem para inibir novos episódios, encerrando o ciclo de agressões”, enfatiza o secretário de Defesa Social, Humberto Freire.

MENOS VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E ESTUPROS – Muitas vezes precedente de casos de feminicídio, a violência doméstica contra a mulher foi outro indicador que apresentou curva descendente em Pernambuco no intervalo entre janeiro e abril deste ano. No quadrimestre mais recente, 12.906 vítimas prestaram queixa em delegacias de Polícia Civil, contra 14.193 no ano passado, representando -9,07% este ano. De maneira semelhante, as vítimas de estupro procuraram menos as delegacias nesse período em 2022, com 738 registros contra 869 em 2021 (-15,07%).

PANORAMA DOS CVLIs – Em todo o Estado, 313 pessoas foram vítimas de CVLI em abril último, o que representa 2,62% a mais do que os 305 casos registrados no quarto mês do ano passado. Entre as regiões, houve diminuição na Zona da Mata, onde esse tipo de crime caiu de 60 para 53 no mês (-11,67%), e no Sertão, com queda de 9,76% (de 41 para 37 homicídios). Em estabilidade, o Agreste registrou 64 homicídios, igual número do abril antecedente. Já no Recife, houve aumento de 8,33% (de 60 para 65), assim como nos demais municípios da Região Metropolitana (RMR), que saiu de 80 para 94 ocorrências (17,5%). No somatório de janeiro a abril em Pernambuco, a diferença ficou em 12,89%, pois os casos passaram de 1.133 para 1.279. A capital reduziu de 209 para 201 no período, isto é, -3,83%. Variação de 3,53% na Zona da Mata (de 227 para 235) e de 4,26% no Sertão (de 141 para 147). Na RMR, as mortes violentas passaram de 322 para 382 (18,63%), enquanto o índice do Agreste elevou-se em 34,19%, passando de 234 para 314 vítimas.

“Já refizemos o planejamento do nosso conjunto de ações no âmbito do Pacto pela Vida, redirecionando e otimizando esforços operacionais, e já percebemos o recuo dos homicídios em relação à média dos três primeiros meses de 2021. Temos ciência e confiança dos resultados que podemos alcançar a partir das metas e, principalmente, do compromisso das polícias Militar, Civil, Científica, Corpo de Bombeiros, servidores da SDS e órgãos vinculados com a proteção da população. O objetivo, é fundamental ressaltar, não é baixar estatísticas, porque vidas não são números, mas salvar vidas e prevenir sofrimento de familiares e amigos. Somente este ano, mais de 1.600 armas foram apreendidas e 532 homicidas foram presos. Em geral, são pessoas ligadas a grupos de tráfico de drogas, que matam e morrem pelo controle da venda de entorpecentes. A desarticulação dessas quadrilhas, em todas regiões do Estado, trará mais tranquilidade”, diz Humberto Freire.      

QUADRIMESTRE FECHA COM -3,55% NOS CRIMES DE ROUBO – O primeiro quadrimestre deste ano de 2022 finalizou com queda de 3,55% nos Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs), diminuindo de 17.457 em 2021 para 16.837 em 2022. Significa dizer que, de um ano para outro, 620 crimes do gênero foram evitados no intervalo de janeiro a abril. No quarto mês do ano, houve registro de 4.289 roubos, contra 4.215 do mesmo período do ano passado, uma variação de 1,76%.

A Região Metropolitana teve a maior redução no acumulado do ano. Foram -9,51% boletins de ocorrências devido a roubos, tendo caído de 5.784 (2021) para 5.234 (2022). Em seguida vem a Zona da Mata, com -7,51%, diminuindo de 1.478 para 1.367. A redução no Agreste foi de 3.229 para 3.163, ou seja, -2,04%. No Sertão, o quantitativo de CVPs retraiu de 994 para 985, o que equivale a -0,91%. O Recife variou de 5.972 para 6.088, uma mudança de 1,94%.

NENHUM ASSALTO A INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS – Pernambuco fechou abril sem nenhuma ocorrência de roubo a instituições financeiras, contra duas no mesmo mês do ano passado. Isso representa uma queda de 100%. No acumulado do ano, a diminuição representa 50%, pois caiu de 4 em 2021 para 2 nesse intervalo em 2022.

“A efetividade da Força Tarefa Bancos mudou o cenário de roubos a instituições financeiras, incluindo bancos, caixas eletrônicos, casas lotéricas e carros-fortes. Esse tipo de crime ocorria diariamente até que, em 2017, a SDS integrou forças estaduais, polícias federais, exército e entidades privadas que prestam esse serviço. A repressão a essas investidas tem um fator associado muito importante: evita a capitalização de organizações criminosas, que utilizam os recursos apurados nesses assaltos para praticar diversos outros crimes no território nacional”, explica Freire.      

ROUBOS A ÔNIBUS CAEM 32,39% – As ocorrências de roubo a ônibus tiveram uma redução de 32,39%: de 71 delitos em abril de 2021 para 48 no mesmo mês deste ano. No intervalo de janeiro a abril, a queda alcançou o percentual de 7,51%, uma vez que o declínio foi de 213 denúncias em 2021 para 197 em 2022. Neste primeiro quadrimestre, as forças de segurança prenderam 48 assaltantes de ônibus.

ROUBO DE CARGAS REGISTRA QUEDA DE 13% – Os crimes violentos que visavam a subtração de cargas caíram tanto no mês como no acumulado do ano. Em abril, diminuíram 13%, saindo de 31 (2021) para 27 (2022). No quadrimestre, caiu 4%, tendo baixado de 118 (2021) para 114 (2022) ocorrências.

Fonte: DP

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL